ARCVB participa de seminário promovido pela Câmara Americana de Comércio no Brasil

Publicado em 28/10/2016
Imagem do Artigo ARCVB participa de seminário promovido pela Câmara Americana de Comércio no Brasil

A AMCHAM realizou no último dia 25 o Seminário Empoderamento da Mulher reunindo empresários, profissionais e associados Câmera Americana de Comércio no Brasil a fim de debater a igualdade de gêneros dentro de uma organização.

O ARC&VB, associado à AMCHAM, participou do encontro que contou com a palestra de Elisabet Rodriguez Dennehy, professora da University of Pittsburg, escritora e especialista em integração de gênero, onde informou que empresas que promovem a igualdade de gênero tem 15% a mais de probabilidade de terem melhores resultados financeiros em relação às outras.

O seminário também contou com um Painel de Debates, onde os convidados foram Rodrigo Santos, presidente da Monsanto, Victor Mezei, Presidente da Pfizer, Monica Herrero, CEO Brasil da Stefanini, Alexandra Loras, Ex-Consuela da França no Brasil e Thaisa Bergmann, astrofísica vencedora do Prêmio L’Óreal-Unesco para Mulheres na Ciência.  Rodrigo Santos diz que na Monsanto há diversos projetos de integração entre os colaboradores, onde a empresa procura assegurar que mulheres participem dos treinamentos e programas de desenvolvimento, assim como de processos seletivos. “Percebemos que, quando há uma posição nova aberta na companhia, os homens se arriscam muito mais. Pensamos no que podemos fazer para que uma mulher se desafie mais”. Diz ainda que a inclusão de mulheres nos cargos de liderança precisa ser uma política muito forte dentro das empresas, a começar pela liderança.

Victor Mezei afirma que, em 2009, a empresa tinha apenas 18 mulheres nos cargos de diretoria. Hoje, são 53. Para a Pfizer, empregar mulheres tem uma relação direta com entender seus clientes. Hoje, grande parte das decisões sobre a saúde e o orçamento doméstico são feitas por mulheres, explica Mezei. Além disso, elas compõem a maior parte dos médicos recém formados, com menos de 29 anos.

Thaisa Bergmann enfatiza a importância das mulheres se colocarem no mercado de trabalho e adaptar sua rotina para alavancar a carreira, sem deixar vida pessoal de lado. Hoje, a maior dificuldade é construir uma família conciliada ao trabalho, mas que isso não deve ser um empecilho para a ambição pessoal e profissional. Para Alexandra, as mulheres devem se sentir donas do local para serem mais confiantes.